sábado, 7 de maio de 2011

E depois do Sol...



Hidratar a Pele e Cabelos – Dicas e Sugestões
No Verão, o sol, o sal e o vento submetem a pele e os cabelos a duras provas. Para preservar a sua saúde e beleza, é preciso compensar os danos com tratamentos à medida de cada caso. Quem quiser chegar ao fim da época estival com um bronzeado resplandescente e os cabelos em bom estado, já sabe que o primeiro passo no bom caminho é uma protecção adequada. Durante toda a época, tente não abusar da exposição ao sol e utilize produtos próprios para se defender da acção agressiva dos raios ultravioleta e do cloro das piscinas, que são os piores inimigos da sua beleza durante o Verão.
Mas isto não é suficiente; é preciso ainda compensar o desgaste extra que as defesas naturais
da pele sofrem diariamente – e é aqui que entram os indispensáveis cuidados reparadores para depois do sol. Apresentamos-lhe algumas das situações mais comuns, para que possa fazer o seu diagnóstico e descobrir aqueles que vão ao encontro das suas necessidades. A seguir, sem perder mais tempo, reserve todas as noites um bocadinho para oferecer a si própria uma pequena sessão de beleza e bem-estar.
Se a sua pele é muito sensível: Defenda-se dos radicais livres
Os radicais livres são moléculas de oxigénio alteradas, resultantes de diversos processos fisiológicos, que por se terem tornado instáveis atacam e destroem as células. Ao nível da pele, onde se formam essencialmente por acção das radiações UVA, da poluição e de agentes químicos, provocam uma aceleração do envelhecimento e são responsáveis pela maior parte das rugas, manchas e flacidez. A sua acção destruidora mantém-se, mesmo quando achamos que já estamos suficientemente bronzeadas para pôr de lado o protector solar.
• Qual é o risco?
Aceleram o processo natural de envelhecimento da pele, causam rugas e flacidez. Os UVA atingem a derme e destroem as fibras de colagéneo, que constituem o tecido de suporte da pele e são responsáveis pela sua firmeza e elasticidade.
• O que deve fazer
Certificar-se de que os seus protectores solares têm filtros UVA, não deixar de os usar mesmo quando já está bronzeada e aplicar, todas as noites, um produto reparador específico para depois do sol com vitamina C e vitamina E - que têm propriedades regeneradoras e anti-radicais livres. Convém utilizar duas fórmulas, uma para o corpo e outra para o rosto, pois a pele tem, em cada uma destas áreas, necessidades diferentes.
Se os seus cabelos parecem palha: A palavra-chave é suavidade
Os radicais livres produzidos por efeito do sol alteram os lípidos e as proteínas que protegem os fios dos cabelos, o sal desidrata-os e o cloro seca-os e altera os pigmentos das tintas, no caso dos cabelos pintados. Os cabelos secos são os que mais sofrem mas, para não facilitar, todos devem ser tratados durante o Verão com os cuidados habitualmente reservados aos cabelos frágeis.
• Qual é o risco?
Os cabelos perdem o brilho e a vitalidade, partem-se com facilidade e podem aparecer pontas espigadas e queimadas. As cores alteram-se, sobretudo os louros – que ficam amarelos ou completamente brancos – e os ruivos – que correm o risco de ficar cor-de-laranja.
• O que deve fazer
Na praia e na piscina, use um protector para cabelos, com filtro solar. Ao fim do dia, lave-os com champôs neutros e muito suaves, próprios para uso frequente ou, então, com um champô específico para depois do sol. Estas fórmulas removem totalmente o sal, o cloro e os restos dos protectores. Enxague-os com bastante água corrente a baixa temperatura e troque o seu condicionador normal por um que não seja necessário enxaguar, que dá uma protecção extra e mantém os cabelos macios.
Se descobriu novas rugas: Aumente a resistência da pele
O bronzeado revela, muitas vezes, pequenas rugas que não se notavam antes do Verão e acentua outras já existentes. Isto é evidente nas pessoas que não usam óculos de sol e ganham o hábito de franzir a cara, o que resulta em pequenos sulcos brancos em redor ou nos cantos dos olhos.
• Qual é o risco?
Quando uma ruga dá o primeiro ar da sua graça, a tendência é para se acentuar com o tempo. E quanto mais tarde tomar medidas correctivas, mais difícil será obter bons resultados. A longo prazo, a pele perde firmeza e elasticidade.
• O que deve fazer
Antes das férias, faça uma cura de vitaminas C e E, em cápsulas, e certifique-se de que estas vitaminas fazem parte da sua alimentação. Elas existem também em alguns cosméticos, que são óptimos para usar nesta época porque têm virtudes protectoras, regenerantes e anti-radicais livres. A vitamina C, sobretudo, desperta o brilho da pele e contribui para a manutenção de um bronzeado bonito. Não dispense um bom creme hidratante para o contorno dos olhos. Espere pelo fim do Verão para recorrer aos produtos à base de vitamina A (retinol) – destinados a combater rugas, manchas e renovar a epiderme ressequida pelo sol – já que não convém expôr-se ao sol enquanto os usa.
Se o seu bronzeado está a “cair aos bocados”: Reforce a hidratação
Isto é o que acontece quando a pele bronzeia depressa demais. Os golpes de sol destroem as células da camada superior da epiderme, acelerando, assim, o ritmo da renovação celular. A melanina chega mais rapidamente à superfície mas, como a descamação também se torna mais rápida, estamos constantemente a pelar. Resultado: o bronzeado dura pouco e não fica uniforme.
• Qual é o risco?
O bronzeado dura pouco, não tem um aspecto uniforme e a pele fica extremamente fragilizada.
• O que deve fazer
Hidratar muito bem a pele depois de cada exposição ao sol, pois está provado que o estado de inflamação devido aos golpes de sol (mais conhecidos por escaldões) desidrata e acelera o processo de renovação celular da epiderme.
Mecanismos de protecção da pele
A pele está preparada para resistir às agressões ambientais até um certo ponto. Para se proteger dos UV, por exemplo, ela altera-se, ganha um tom mais escuro e torna-se mais espessa. A melanina, que é o pigmento responsável pelo bronzeado, funciona como um filtro natural: absorve uma grande parte dos raios do espectro solar, impedindo-os de atingir e danificar as camadas mais profundas da pele. E ainda tem propriedades anti-radicais livres. Mas a sua capacidade de protecção tem limites e, durante o Verão, estes são muitas vezes ultrapassados pelas condições ambientais extremas. Os banhos no mar ou na piscina, a areia e o calor também não ajudam.
Juntamente com o sol, alteram o filme hidrolipídico da epiderme, consomem as reservas de anti-oxidantes e de enzimas protectores e fragilizam a epiderme. Resultado: as terminações nervosas da pele entram em estado de alerta e desencadeiam um processo inflamatório semelhante àquele que surge em caso de stress. Então, qualquer que seja o tipo da pele, esta passa a apresentar todas as características de uma epiderme sensível e reactiva e a comportar-se como tal, correndo o risco de desenvolver alergias, intolerâncias de vária ordem e outros estados pseudo-patológicos. Para manter a sua beleza e saúde intactas, há que usar de muito bom-senso e não dispensar os cuidados de protecção, hidratação e reparação adequados a cada caso.

Alexandra Teixeira

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pesquisar Aqui